terça-feira, 24 de abril de 2018

São Paulo amarga desempenho ruim como visitante em 2018; com Diego Aguirre é ainda pior

O São Paulo terá mais uma partida fora de casa, válida pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro. Após o empate de 0 a 0 com o Ceará, em Fortaleza, o Tricolor Paulista visita o Fluminense domingo, às 16h, no Maracanã. Jogar como visitante, por sinal, tem sido algo complicado para o time nesta temporada.
Até agora foram 14 partidas fora de casa, com cinco vitórias, dois empates e sete derrotas, com apenas 40% de aproveitamento. Nessa condição, o São Paulo está zerado no saldo de gols. Marcou 13 gols e sofreu 13.
Contando apenas os jogos com o comando técnico de Diego Aguirre, o desempenho fora de casa é ainda pior. Em cinco jogos, foram dois empates e três derrotas, com 13,3% de aproveitamento.
Com o comando técnico de Dorival Júnior, o retrospecto do São Paulo como visitante foi de quatro vitórias e quatro derrotas, com 50% de aproveitamento.
Depois do duelo com o Fluminense, no Rio de Janeiro, o Tricolor Paulista voltará a jogar como mandante no dia 5 de maio, às 19h, diante do Atlético-MG, no Morumbi.

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Conselho de Administração do São Paulo discute separar futebol do clube social

O Conselho de Administração do São Paulo discute nesta segunda-feira, um projeto que recomenda a separação do futebol da estrutura social do clube. A reunião está prevista para ocorrer esta noite e, vai detalhar sua tramitação até que o plano seja colocado em prática.
O projeto em discussão planeja a criação de uma empresa para administrar o time profissional, o estádio do Morumbi, centros de treinamento, categorias de base, patrocínios, licenciamento e tudo o que estiver relacionado a futebol. Essa empresa seria 100% controlada pelo São Paulo Futebol Clube.
Sempre que o futebol der lucro, uma parte dos valores será devolvido ao clube social. Quando houver prejuízo, a empresa vai absorvê-lo. A inspiração, ainda que com mudanças e adaptações ao Brasil, é o Bayern de Munique, que criou uma empresa para cuidar do futebol, mas com controle acionário do clube.
Essa empresa, ainda sem nome, deve ter um conselho de administração formado por nove pessoas – cinco delas indicadas pelo clube e outras quatro vindas do mercado, mas também aprovadas pelo clube.
Quem ocupar cargo diretivo no clube social não poderá ocupar cargos na empresa que cuidará do futebol.
A tramitação

O projeto, elaborado a partir de um estudo da consultoria Deloitte, já teve um parecer favorável do presidente do São Paulo, Carlos Augusto Barros e Silva. Hoje é o Conselho de Administração, formado por nove pessoas, que vai analisar o projeto. Depois disso, o texto ainda vai passar pelo Conselho Consultivo.
Presidente, Conselho de Administração e Conselho Consultivo – opinam sobre o projeto. Os três pareceres serão então enviados ao Conselho Deliberativo, órgão soberano do clube, que tem a prerrogativa de arquivar o projeto ou de colocá-lo em votação numa Assembleia Geral de Sócios.
Antes dessa votação, o presidente do clube precisa promover entre duas e quatro sessões explicativas, para que os sócios tenham mais conhecimento do projeto antes de decidir se o implementam ou se o rejeitam.
Atuação medíocre

O São Paulo está longe de empolgar seu torcedor. Em mais uma atuação desastrosa, o time não passou de um empate com o Ceará em 0 a 0, na tarde deste domingo, na Arena Castelão, em Fortaleza, em partida válida pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro. Foram raras as chances de gol. Os goleiros pouco foram acionados e exigidos. No mais, uma partida muito fraca. Nesta partida, o Tricolor Paulista promoveu a estreia de seu mais novo reforço, Everton, que defendia o Flamengo.
O São Paulo volta a campo pelo Campeonato Brasileiro no próximo domingo, às 16h. O time joga mais uma vez como visitante, desta vez diante do Fluminense, no Maracanã.
FICHA TÉCNICA
CEARÁ 0 X 0 SÃO PAULO

Local: Arena Castelão, em Fortaleza (CE)
Data: 22 de abril de 2018, domingo
Horário: 16 horas (Hora de Brasília)
Público: 29.186 pagantes / 30.186 total

Cartões amarelos: Luiz Otávio (Ceará); Edimar, Petros (SPFC).

CEARÁ: Éverson; Tiago Alves, Valdo e Luiz Otávio; Arnaldo (Naldo), Rafael Carioca, Juninho, Pio e Wescley (Roberto); Felipe Azevedo; Arthur (Elton)
Técnico: Marcelo Chamusca

VERSUS

SÃO PAULO: Sidão; Éder Militão, Arboleda, Rodrigo Caio; Cueva, Petros, Hudson, Liziero (Régis) e Edimar; Everton (Valdívia) e Tréllez (Nenê)
Técnico: Diego Aguirre

sexta-feira, 20 de abril de 2018

São Paulo acumula 18° fracasso em competições com formato eliminatório desde o último título conquistado

O São Paulo sentiu o gosto amargo de mais uma eliminação na temporada de 2018. Desta vez foi na Copa do Brasil, para o Atlético-PR, nesta quinta-feira. E o novo vexame em uma competição com regulamento eliminatório, se torna o 18º do time desde a conquista da Sul-Americana de 2012, último título do clube.
Desde então, o Tricolor Paulista foi derrotado seis vezes no Campeonato Paulista, cinco na Copa do Brasil, três na Taça Libertadores e três na Sul-Americana, além de uma vez na Recopa Sul-Americana.
– A gente sabe que são anos sem brigar por títulos e vai sobrar para a gente, que está no atual momento. Temos que entender essa responsabilidade de trazer um título para o São Paulo esse ano e aceitar. Quem está com a camisa agora é responsável por trazer título esse ano – disse o goleiro Sidão.
Agora, resta ao São Paulo o Campeonato Brasileiro e a Copa Sul-Americana. E por falar na Sul-Americana, o Tricolor Paulista decide uma vaga na segunda fase da competição diante do Rosario Central, dia 9 de maio, no Morumbi. O jogo de ida, na Argentina, terminou empatado em 0 a 0.
Neste domingo, o time visita o Ceará, no Castelão, em Fortaleza, em partida válida pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro.
Abaixo, as derrotas do São Paulo em competições com formato eliminatório desde o título da Sul-Americana de 2012:




2018
 Copa do Brasil
Quarta fase
Atlético-PR
2018
 Camp. Paulista
Semifinal
Corinthians
2017
 Camp. Paulista
Semifinal
Corinthians
2017
 Copa do Brasil
Quarta fase
Cruzeiro
2017
 Sul-Americana
Primeira fase
Defensa y Justicia
2016
 Camp. Paulista
Quartas de final
Audax
2016
 Copa do Brasil
Oitavas de final
Juventude
2016
 Copa Libertadores
Semifinal
Atl. Nacional
2015
 Camp. Paulista
Semifinal
Santos
2015
 Copa do Brasil
Semifinal
Santos
2015
 Copa Libertadores
Oitavas de final
Cruzeiro
2014
 Camp. Paulista
Quartas de final
Penapolense
2014
 Copa do Brasil
Terceira fase
Bragantino
2014
 Sul-Americana
Semifinal
Atlético Nacional
2013
 Camp. Paulista
Semifinal
Corinthians
2013
 Sul-Americana
Semifinal
Ponte Preta
2013
 Copa Libertadores
Oitavas de final
Atlético-MG
2013
 Recopa Sul-Americana
 Final
Corinthians
Sonho adiado

O São Paulo foi eliminado pelo Atlético-PR na noite desta quinta-feira, e deu adeus ao sonho da conquista inédita da Copa do Brasil. O Tricolor Paulista perdeu o jogo de ida por 2 a 1, em Curitiba, e precisava vencer por dois gols de diferença para seguir adiante na competição. Até conseguiu construir o placar que seria favorável para sua classificação, mas acabou permitindo o empate  em 2 a 2, no Morumbi.
Nenê fez uma partida muito boa e chamou a responsabilidade para si. Deu assistência de calcanhar para o primeiro gol, foi autor do segundo, com desvio da zaga adversária, e era o destaque são-paulino até a caída de produção do time no segundo tempo, até sofrer o gol de empate e sentir o golpe.
Agora, o São Paulo se concentra nos próximos objetivos da temporada. O time volta a campo neste domingo, às 16h (Horário de Brasília), em Fortaleza, na partida diante do Ceará. O jogo é válido pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro de 2018.
FICHA TÉCNICA
SÃO PAULO 2 X 2 ATLÉTICO-PR

Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Data: 19 de abril de 2018, quinta-feira
Horário: 19h15 (Hora de Brasília)
Público: 27.812 torcedores

Cartão Amarelo: Lucho González, Pavez e Guilherme (Atlético-PR).

Gols: Valdívia, aos 25, e Nenê, aos 34 minutos do primeiro tempo para o SPFC. Guilherme, aos 40 minutos do primeiro tempo, e Matheus Rossetto, aos cinco minutos do segundo tempo para o Atlético-PR.

SÃO PAULO: Sidão; Éder Militão, Arboleda e Rodrigo Caio; Régis, Jucilei, Petros (Lucas Fernandes), Valdívia (Cueva) e Liziero; Nenê e Tréllez (Diego Souza)
Técnico: Diego Aguirre

VERSUS

ATLÉTICO-PR: Santos; Pavez (Zé Ivaldo), Paulo André e Thiago Heleno; Matheus Rossetto (Deivid), Camacho, Lucho González e Carleto; Nikão, Guilherme e Pablo
Técnico: Fernando Diniz

quinta-feira, 19 de abril de 2018

São Paulo terá que superar o Atlético-PR para se manter na Copa do Brasil

O São Paulo joga diante do Atlético-PR  nesta quinta-feira, às 19h15 (Horário de Brasília), no Morumbi, pelo jogo de volta da quarta fase da Copa do Brasil.
O Tricolor Paulista terá que reverter o placar da partida de ida, vencida pelo adversário por 2 a 1, na Arena da Baixada. O São Paulo tem que vencer de qualquer maneira. Se conseguir dois gols de vantagem, avança para às oitavas de final da competição no tempo normal. Caso vença por um gol de diferença, a decisão da vaga vai para os pênaltis.
Atrás da virada no placar, o técnico Diego Aguirre terá o retorno do quarteto Liziero, Arboleda, Petros e Tréllez. Eles foram poupados na partida diante do Paraná, com vitória são-paulina por 1 a 0, na última segunda-feira, na estreia no Campeonato Brasileiro.
Além deles, Diego Souza é outra novidade entre os relacionados. Barrado pelo treinador são-paulino no jogo com o Rosario Central, pela Copa Sul-Americana, e sem condições normais para o duelo com o Paraná, por causa de uma amigdalite, está a disposição. Everton, reforço apresentado na quarta-feira, não foi regularizado no BID da CBF.
O goleiro Jean (com amigdalite) e o lateral-esquerdo Reinaldo (com um estiramento muscular na perna direita) não estão à disposição. Já o recém-contratado Gonzalo Carneiro (que realiza trabalhos específicos de reforço muscular) ainda não reúne condição de jogo.
FICHA TÉCNICA
SÃO PAULO X ATLÉTICO-PR

Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Data: 19 de abril de 2018, quinta-feira
Horário: 19h15 (de Brasília)


SÃO PAULO: Sidão; Éder Militão, Arboleda e Rodrigo Caio; Régis, Jucilei, Petros, Liziero e Valdívia; Nenê e Tréllez
Técnico: Diego Aguirre

VERSUS 

ATLÉTICO-PR: Santos; Pavez, Paulo André e Thiago Heleno; Jonathan, Matheus Rossetto (Raphael Veiga), Lucho González e Carleto; Nikão, Guilherme e Pablo
Técnico: Fernando Diniz
São Paulo supera R$ 44 milhões em investimentos. Everton é a contratação mais cara do ano

Everton é a contratação mais cara do São Paulo na temporada 2018. Os R$ 15 milhões pagos por 100% dos direitos econômicos do jogador que estava no Flamengo o tornam o número 1 na lista de investimentos do clube.
No total, o Tricolor Paulista gastou aproximadamente R$ 44,6 milhões para adquirir direitos econômicos de sete atletas – enquanto que outros quatro se transferiram livres ou por empréstimo.
Em contrapartida, o São Paulo espera arrecadar em 2018 cerca de R$ 90 milhões em vendas de atletas. Está claro nos bastidores do clube que será necessário vender mais jogadores. Até agora, o clube negociou apenas Lucas Pratto e Buffarini.
O Tricolor Paulista gastou mais do que seus rivais Corinthians, Palmeiras e Santos para adquirir direitos econômicos de jogadores.
Na entrevista da última quarta-feira, o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, não fechou a porta para novos investimentos, mas apontou o atual grupo como pronto para disputar as competições.
– O São Paulo não está armado para vender ninguém, mas não está fechado para o mercado. O São Paulo está, sim, investindo significativamente porque isto faz parte de um processo que o São Paulo está estabelecendo ao longo do tempo. Uma gestão que seja capaz de fazer um investimento sem precisar da venda de seus jogadores. O São Paulo não tem necessidade de vender jogador, o que não elimina essa perspectiva e realidade do mercado. O São Paulo, provavelmente, não escapará de um interesse ou um assédio na abertura da janela – disse Leco.
A postura mais agressiva do São Paulo nos investimentos tem influência de Raí. O diretor executivo de futebol sabe da necessidade de equilibrar as finanças e conversa com o departamento do clube, mas acredita que é necessário investir para ganhar títulos.
Com Raí, aliás, o clube percebe nos bastidores que há menos pressões e questionamentos internos sobre as decisões do futebol. O peso do nome do ídolo ajuda a pacificar o clube, principalmente em relação às críticas políticas e de conselheiros.
A personalidade e o jeito do dirigente no dia a dia, além da história do ex-jogador no clube, contribuem nesse sentido. Raí não tem ligação política e é descolado dos conselheiros, o que o torna uma pessoa mais respeitada.